Para vovô e vovó, mortos e separados

Povo que ora e conspira,
processo mental em corte,
e eis que a cara da vida
acaba de cara com a cara da morte.

Há uma canção onde estou,
há um rico que não sou eu.
Há uma idéia que não brotou,
há o aborto que mãe escolheu.

Uma palavra que foi cortada,
ísca viva que o peixe comeu;
aquela história mal cantada
e o segredo do monge ateu.

a sede que ganhou vida,
a mesma a água afogou;
a trança que era comprida,
lindos eram body and soul.

o sol que a chuva tomou,
o pó que já virou lama, 
o porre de vida que sou,
vovó, é vovô que te ama.

 

Professor particular de inglês em Curitiba